sexta-feira, 22 de novembro de 2013

VAMPIROS POÉTICOS



E se não for um peso resgatando, a tela
Onde o amarelo predomina o fundo
Deixo-te a arte onde a maestria
Não hei de dominar jamais...jamais...

A entrada desse bosque solitário
Quem sabe anjos abanando as asas
Saibam voar em volta desses lagos
Nas águas espelhadas de Narciso...

Roubam palavras de sonetos idos
Num poetar maldito e ordinário
Antes a morte outra vez viesse
E lamentasse os versos repetidos!


Dorothy de Castro

0 comentários:

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute