sábado, 4 de junho de 2011

LIBIDO

Libido

Como no estalo que a lingua dá,
ou na velocidade do espanto,
um espasmo de amor, aqui no meu canto,
quero deixar a marca de outras noites,
meus açoites e chicotadas de puro prazer,
um homem em estado latente de bicho feroz,
somente ouvindo tua voz sussurrar,
um gemido doce,
de quero mais com vontade,
sexo com gosto de beijo roubado,
amor de saudade,
essa é a velocidade que eu quero,
bem mais que um bolero,
eu quero um samba pra gente suar,
e deixar a libido cansada de tanto gozar!

Paulo Alvarenga

0 comentários:

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute