domingo, 8 de maio de 2011

QUANDO ME VISTE...

A minha boca grande avermelhada
Vive a te oferecer beijos ardentes...
E o meu olhar ordena que teus olhos
Entrem nos meus assim perdidamente...
Meus seios  tremem numa tal volúpia
Que mal conseguem se conter na blusa
E a tua voz me fala tanta coisa...
E o teu teclar  me abusa e mais me usa
Fico à roer as unhas sem  parar
Fico à comer os dedos como louca
Fico à morder os lábios  dessa boca
E os outros lábios sinto tremular...
Me imaginaste assim tal como sou
Isso me deixa plena e satisfeita
E agora meu amor, ah, meu amor
Me deitarei ai, onde te deitas...


Dorothy de Castro Orgasmo Poético

0 comentários:

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute