domingo, 15 de maio de 2011

DIFERENÇA

Queria  dar-te amor o que procuras,
Nas bocas de inocentes criaturas,
Que te acarinham com dengos tão bonitos...
Mas eu amor, ah, eu não posso amor,
Ser esse enleio   doce de ternura,
O amor que tenho pra te oferecer,
É delirante amor, é qual veneno,
Gosto de gozo, arfoso de prazer...
O meu amor se despe de blandicia,
Enamorado fica na caricia,
Que guardo louca em meu tesão por ti,
Eu sonho meu amor, suas pegadas,
As nossas bocas ávidas, coladas,
à se engulir  molhadas na malicia
No fogo fátuo, , aqui dentro de mim!!!


Dorothy de Castro Orgasmo Poético



0 comentários:

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute