terça-feira, 26 de outubro de 2010

D E M Ê N C I A

Ficara louco...
de tanto amar em versos,
Escrever cartas,
bilhetes  amorosos...
Tanto buscar por ela,
sonhava bacanais,
Onde estrelas dançavam
ao seu redor...
A sua lua porém , essa
jamais,
Se importava com seu
semblante louco,
mas pouco amante,
Dos astros de cristais...
queria a lua,
Ardente, branca, nua,
que apenas fosse  sua,
Nada mais...
Mas era um louco,
e nunca amara pouco,
Um louco desvairado,
atormentado,
Pelo desejo que sentia,
Nesse dia,
Melhor dizendo, noite
lua cheia...
Quando a saudade
entrando em sua veia,
O desespero o fez gritar,
já rouco...
Metamorfose aconteceu,
num lobo,
Se transformou e uivando
Chorou, pediu...
Que ela ficasse nua,
despudorada e sua,
Na insanidade atróz,
mas nada... ela não viu...
Garbosa iluminava
tão clara, indiferente,
E  na ilusão completa,
morria esse demente,
poeta louco...
Que a lua, loucamente
amava!!!

Dorothy de Castro- Autora Orgasmo Poético

1 comentários:

REGGINA MOON disse...

Dorothy,

Simplesmente maravilhoso!!
Somente uma poetisa como voce para nos presentear com tamanha sensibilidade, onde as palavras formam uma majestosa noite de amor, entre o poeta e a Lua!...

Grande beijo no coração!

Reggina Moon

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute