domingo, 16 de maio de 2010

AROMA CIGANO

Eu me consumo
qual gitana triste,
esqueço o rito alegre
de dançar,
A noite luarenta
me convida,
Me veste anáguas
de um vermelho rubro,
Insiste atormentada
pra que eu dance,
violentados passos
à rodar...
O violino geme
agonizante,
o som chorado
insiste
e vem os passos,
Toda em pecado
dança essa gitana...
E  a ausência triste
do seu homem
lembra,
O aroma doce
do beijo,
vem na boca...
E entre meneios
dança feito louca!!!


Dorothy de Castro- Autora Orgasmo Poético

1 comentários:

Paulo Alvarenga Poetano disse...

maravilhoso mae adoreiiiiiiiiiiiiiiii

Postar um comentário

Poesias Pontilhadas © 2008. Design by :Yanku Templates Sponsored by: Tutorial87 Commentcute